h1

O vinho sobe a serra

setembro 15th, 2009

Confiram abaixo artigo escrito pelo enólogo Rafael Puyau especialmente para o Blog do Serra Wine Week. Rafael descreve as características dos vinhos que foram escolhidos para o evento e dá aos leitores um gostinho do que vem por aí!

O clima frio, o charme, o forte pontecial turístico e a rica gastronomia fazem da serra um destino perfeito para os apreciadores do bom vinho. Petrópolis já foi palco em 2002 do Serra Vitis, festival de enogastronomia que movimentou a cidade com degustações, cursos e palestras. Agora é a vez do Serra Wine Week repetir, após sete anos, esse feito e mais uma vez agitar a cidade ao redor do vinho! O turista que subir a serra poderá desfrutar das belas opções oferecidas pelos mais de 24 restaurantes participantes que contam esse ano com um anfitrião ilustre – o vinho.

Fui carinhosamente convidado pelo Marcelo Florêncio, proprietário do restaurante Don Bistrô, a participar do evento e aceitei prontamente por amor ao ofício e por acreditar na idéia do festival reforçando a associação: serra e vinho.

Sou consultor de vinhos há três anos com especialização em enologia pela CFPPA em Narbonne/França e com certificação nível 2 pela escola de vinhos da Inglaterra – Wine & Spirit. Em setembro de 2007, montei a Chez Puyau, empresa de consultoria em vinhos, para atender a uma demanda crescente em toda a região serrana. Inicialmente, trabalhei para a realização de eventos como jantares harmonizados e temáticos, além de cursos, palestras e degustações orientadas. Nesses dois anos, presenciei o crescimento do vinho no mercado petropolitano e o mesmo passou a figurar de forma importante e sustentável tanto para o consumidor final como para os restaurantes, hotéis e pousadas locais. Os diversos festivais, que preenchem ao longo do ano a serra, e a forte adesão dos estabelecimentos têm sido prova desse maior interesse pela enogastronomia. Buscando trazer para a região uma literatura direcionada para as temáticas do turismo, cultura, vinho e gastronomia além de atender aos consumidores ávidos por novas informações e referências no assunto brindei a cidade com o lançamento do jornal Deguste Petrópolis em fevereiro de 2009. O jornal tem distribuição gratuita e dirigida, além de uma versão eletrônica no site.

No último dia 28 de agosto tive o prazer de avaliar e comentar os vinhos da carta oficial do  Serra Wine Week. Montei algo resumido com dois rótulos da Itália, um do Chile, um da Argentina e um do Brasil de maneira que os enófilos poderão desfrutar de excelentes opções do mundo do vinho. Para dar um gostinho ao leitor do que vem por aí durante o festival, comento abaixo cada um deles:

Nome do vinho: Rondinée Brut

rondinéeSafra:

País: Brasil

Álcool: 12,5%

Produtor/Região: Cave Hermann /Serra Gaúcha

Castas: Chardonnay

Comentários: Espumante elaborado pelo método charmat que confere ao vinho leveza, frescor. Apresenta notas de frutas cítricas bem pronunciadas e elegantes além de excelente acidez, característica dos espumantes da serra gaúcha devido ao solo e as condições climáticas. Bela opção para ser degustado em dias quentes ou para abrir o apetite antes da refeição.

Harmoniza-se com: petiscos delicados, entradas leves e um happy wine com os amigos.

Nome do vinho: Rupestro

rupestroSafra: 2007

País: Itália

Álcool: 13,5%

Produtor/Região: Cardeto / Úmbria

Castas: Sangiovese/Merlot

Comentários: Vermelho rubi sem reflexos, límpido e com uma regular transparência. No nariz apresenta-se agradável no primeiro ataque mostrando notas de frutas vermelhas com boa intensidade e persistência. Com mais tempo em taça e em maior contato com o oxigênio, aromas de ameixa preta e notas vegetais aparecem denotando o terroir da região que no passado ficava a sombra da Toscana e só se conheciam o seu vinho branco da cidade medieval de Orvieto. Na boca mostra-se seco, sápido apesar da acidez ainda viva, macio e com o álcool bem equilibrado. É um vinho de bom corpo com taninos presentes e elegantes sem causar incômodo no palato. Apresenta ainda um final persistente com retrogosto confirmando os aromas percebidos no nariz.

Harmoniza-se com: massas italianas com molhos à base de tomates, pizzas, com cremes e queijos não muito intensos.

Nome do vinho: Carmenère Reserva Legado

legado_carmennerSafra: 2006

País: Chile

Álcool: 14,5%

Produtor/Região: De Martino /Vale do Maipo

Castas: Carmenère

Comentários: Vinho de coloração vermelho rubi intenso e sem reflexos, límpido e com regular transparência. No nariz mostra-se com notas herbáceas e de pimentão bem pronunciadas e de frutas vermelhas bem integradas e madeira discreta. Boa intensidade e persistência olfativa. Na boca sendo seco, sápido e macio. Vinho de bom corpo apresentando taninos macios e elegantes devido ao seu estágio em barricas de carvalho. O álcool está bem integrado aos demais componentes do vinho como a maciez e a acidez.

Harmoniza-se com: carnes vermelhas, queijos, embutidos, costela e comidas suculentas.

Nome do vinho: Luigi Bosca Malbec Reserva

Luigi Bosca Reserva SyrahSafra: 2006

País: Argentina

Álcool: 13,8%

Produtor/Região: Luigi Bosca / Lújan de Cuyo – Mendoza

Castas: Malbec

Comentários: Vinho límpido e com regular transparência. Vermelho rubi intenso e sem reflexos. No nariz apresenta-se harmonioso e delicado com boa intensidade e persistência. As notas de madeiras estão presentes e muito bem integradas com os outros componentes do vinho. Bem frutado com notas de frutas vermelhas como ameixa, amora e notas vegetais percebidas além de baunilha e amêndoas. Na boca está seco, sápido, macio e com álcool bem equilibrado. Vinho encorpado, másculo e com taninos elegantes e redondos conferindo a ele grande estrutura. Bom potencial de guarda e com final longo.

Harmoniza-se com: carnes de caça, comidas bem condimentadas e suculentas, picanha, churrasco.

Nome do vinho: Dezzani Barbaresco

barbaresco dezzani okSafra: 2003

País: Itália

Álcool: 13,5%

Produtor/Região: Dezzani /Piemonte

Castas: Nebbiolo

Comentários: Vermelho rubi com reflexos indo para o granada. Vinho em evolução, límpido e transparente.  No nariz é um vinho intenso abrindo as narinas, persistente e amplo. Notas de frutas vermelhas maduras e especiarias como alcaçuz, anis-estrelado e folhas secas. Muito complexo no nariz. Na boca é seco, sápido, mas com uma acidez bem presente para um vinho tinto de 2003. Acidez típica dos vinhos italianos. Vinho macio e com álcool bem integrado. Bom corpo e com forte presença de taninos, porém redondos. Final de boca longo e com aromas de especiarias. Necessita-se decantá-lo antes de servir por mais ou menos 1h para que possa mostrar todo o seu potencial. Na falta de um decanter, deixe-o descansar na taça que o contato com o oxigênio o beneficiará fazendo com que seja liberada toda a sua complexidade aromática.

Harmoniza-se com: carnes de caças, comidas bem condimentadas, pratos a base de funghi e comidas com gordurosidade.

O evento já está sendo chamado de I Serra Wine Week, o que significa que essa será a 1ª edição de um evento que promete entrar definitivamente para o calendário oficial da cidade.

Muitos brindes e saúde!

Leave a Comment